quinta-feira, 7 de julho de 2016

Morte de segundo negro por policial causa protestos nos Estados Unidos Philando Castile foi baleado dentro do carro após ser parado em uma blitz em Minnesota. Namorada filmou os últimos instantes da vida do companheiro ao vivo no Facebook




Philando Castile, de 32 anos, era funcionário de um refeitório escolar - Reprodução Twitter

FALCON HEIGHTS — Um homem negro foi morto a tiros por um policial após ser parado em uma blitz no estado de Minnesota na quarta-feira à noite, no segundo caso de morte de negros pelas forças de segurança americanas na semana. O episódio causou protestos e agrava a tensão racial nos Estados Unidos. Os últimos instantes da vida de Philando Castile, de 32 anos, foram registrados em um vídeo transmitido ao vivo no Facebook pela namorada. A gravação também foi publicada no Youtube.

Veja também

Foto divulgada nas redes sociais mostra Valerie Castile e o filho Philando Castile abraçados‘Ele era apenas um negro no lugar errado’, diz mãe de homem morto por policial nos EUA

Manifestantes protestam contra morte de Alton Sterling por policiais em Baton Rouge, Louisiana
Vídeo mostra policiais brancos matando homem negro a tiros em Louisiana
Castile, funcionário de um refeitório escolar, estava dentro do carro na cidade de Falcon Heights quando foi baleado. Ele foi levado para o hospital, onde morreu mais tarde.

O vídeo mostra a namorada, identificada como Diamond Reynolds, e o homem com uma camisa branca todo ensanguentado. É possível ouvir a vítima agonizando. Do lado de fora do carro, o policial é visto com a arma na mão.

"Meu Deus, não me digam que morreu, não me digam que meu namorado foi embora assim... Foi atingido por quatro tiros, senhor", afirma a mulher no vídeo, divulgado ao vivo no Facebook Live e visualizado mais de dois milhões de vezes. Atenção, imagens fortes.

De acordo com a namorada, Castile foi parado na blitz porque seu carro tinha uma luz de farol traseira apagada. Antes de ser baleado no braço, enquanto procurava os documentos, ele informou ao policial que estava autorizado a portar arma e que carregava uma, segundo Diamond.

Perto do fim do vídeo, de quase 10 minutos de duração, a filha de Diamond, de 4 anos, tenta tranquilizar a mãe aterrorizada.

"Esta tudo bem, mamãe", diz a menina. "Está tudo bem, estou aqui com você".

Em uma entrevista à CNN, a mãe de Castile, Valerie, disse que seu filho foi vítima de uma guerra silenciosa contra os negros e que ele " viveu pela lei e morreu pela lei".


Segundo a polícia, uma arma foi recuperada na cena do crime, e o incidente está sendo investigado.

No Facebook, foi criada uma página intitulada "Justiça para Philando Castile", na qual se afirma: "Philando Castile morreu pelas mãos da polícia no dia 6 de julho de 2016. Exigimos justiça".

PUBLICIDADE

Dezenas de pessoas se mobilizaram nas ruas de Falcon Heights para protestar contra a morte de Castile. Em Louisiana, também foram registrados protestos.

O incidente ocorreu apenas um dia depois da morte de Alton Sterling, de 37 anos, morto a tiros pela polícia durante um incidente em Baton Rouge. O Departamento de Justiça dos EUA está investigando o caso.







Nenhum comentário:

Postar um comentário