Postagem em destaque

Mias um ano consecutiva a Associação Comercial e Agroindustrial de Sonora Acias) em parceria com o comércio local estão fazem mais um Natal Premiado

ACIAS DE SONORA VAI SORTEAR UMA MOTO 0KM + 10 VALE COMPRAS DE R$ 100,00 + 10 PRÊMIOS SURPRESA. A Associação Comercial e Agroindustr...

quinta-feira, 21 de julho de 2016

PF prende quatro suspeitos de ligação com EI no estado de SP Policiais também cumpriram mandado de condução coercitiva em Guarulhos. Outras pessoas foram detidas pela mesma suspeita nesta quinta no país.

G1

Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira  (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)

(Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)

Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo) A Polícia Federal prendeu quatro pessoas suspeitas de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) em diferentes cidades de São Paulo, na manhã desta quinta-feira (21). Outra pessoa foi alvo de mandado de condução coercitiva cumprido e levada para prestar depoimento.


OPERAÇÃO HASHTAG
Outras pessoas foram presas em nove estados na operação sigilosa de combate ao terrorismo que em outros estados, informou o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em entrevista coletiva concedida em Brasília.
De acordo com a PF, os quatro mandados de prisão em São Paulo foram cumpridos em quatro cidades diferentes: na Zona Leste da capital, em Campinas, em Guarulhos e em Amparo.Os presos estão à disposição da Justiça Federal, sob custódia da Polícia Federal, mas nenhum deles foi para a Superintendência da corporação em São Paulo, na Lapa, Zona Oeste.Às 15h, eles embarcaram em um avião da corporação no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. A PF afirmou, ainda, que não será informado o local para onde eles serão levados por questões de segurança.   Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)


Foram as primeiras prisões no Brasil com base na recente lei antiterrorismo, sancionada em março pela presidente afastada, Dilma Rousseff. Também foram as primeiras detenções por suspeita de ligação com o grupo terrorista Estado Islâmico, que atua no Oriente Médio, mas tem cometido atentados em várias partes do mundo.
As prisões, segundo o Ministério da Justiça, ocorreram no Amazonas, no Ceará, na Paraíba, em Goiás, no Mato Grosso, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Sul, informou a assessoria do Ministério da Justiça. O governo e PF não divulgaram os nomes dos suspeitos e nem para onde eles foram levados depois da prisão.

Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)Reprodução de vídeo mostra agentes da Polícia Federal (PF) conduzindo um dos suspeitos presos na Operação Hashtag, no Aeroporto Intercional de Guarulhos, na Grande São Paulo, nesta quinta-feira (Foto: Mario Angelo/Sigmapress/Estadão Conteúdo)
O governo e a Polícia Federal não divulgaram os nomes dos presos nem para onde foram levados. De acordo com o jornalista Cesar Tralli, da TV Globo, por volta das 13h30, havia quatro detidos no Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, que embarcariam em um avião da PF.


ESTADO ISLÂMICO
Alexandre de Moraes disse que os detidos não tiveram qualquer contato com membros do Estado Islâmico e que se trata de uma "célula absolutamente amadora", porque não tinha "nenhum preparo"."Mas obviamente que não podemos, nenhuma força de segurança, ignorar isso. [...] Só o fato de começarem atos preparatórios, não seria de bom senso aguardar para ver, e o melhor era decretar a prisão deles", afirmou o ministro. Moraes, porém, não detalhou quais foram os "atos preparatórios" que motivaram a prisão dos suspeitos.

Segundo o ministro, os detidos na operação, batizada de "Hashtag", nunca haviam se encontrado pessoalmente e eram monitorados há meses pela polícia. Eles costumavam se comunicar pela internet, pelo WhatsApp e pelo Telegram. Questionado sobre como foi o monitoramento dos suspeitos, já que o WhatsApp foi bloqueado mais de uma vez pela Justiça brasileira justamente por não fornecer dados para investigações, o ministro inicialmente não quis responder. Depois disse que revelar como foi o monitoramento atrapalharia a investigação.

Veja abaixo os detalhes da Operação Hashtag
Prisões:

Cada um dos 10 suspeitos estava em um estado diferente. As prisões, segundo o Ministério da Justiça, ocorreram no Amazonas, no Ceará, na Paraíba, em Goiás, no Mato Grosso, em Minas Gerais, no Rio de Janeiro, em São Paulo, no Paraná e no Rio Grande do Sul, informou a assessoria do Ministério da Justiça.
"Hoje, culminou na primeira operação que teve como alvo uma suposta célula terrorista no Brasil. Foram presos 10 indivíduos", disse Alexandre de Moraes na entrevista concedida na sede do Ministério da Justiça. Nem o ministro nem a PF divulgaram os nomes dos suspeitos e para onde eles foram levados depois da prisão.
O suposto chefe do grupo, informou Moraes, é de Curitiba. Um outro suspeito foi preso em Manaus. Um terceiro envolvido, de 26 anos, foi detido na área rural do município gaúcho de Rolante, em uma localidade chamada de Açoita Cavalo.

De acordo com a Polícia Federal, o juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara da Justiça Federal do Paraná, expediu 12 mandados de prisão temporária por 30 dias, podendo ser prorrogadas por mais um mês. O magistrado também expediu dois mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é obrigada a ir prestar depoimento) e 19 de busca e apreensão.
Moraes afirmou que os dois suspeitos ainda soltos estavam no "radar" dos policiais e que, provavelmente, seriam detidos em breve.'Atos preparatórios'
O ministro da Justiça também relatou na coletiva que os suspeitos presos nesta quinta-feira vinham sendo monitorados pela PF há alguns meses. De acordo com Moraes, os detidos comemoraram atentados terroristas recentes cometidos pelo mundo, como o de Paris, em novembro de 2015, e os de Orlando (EUA) e Nice (França) neste ano.
O titular da Justiça explicou que os alvos da Operação Hashtag foram presos porque passaram dos comentários em redes sociais e mensagens de texto para "atos preparatórios" para atentados terroristas."A partir do momento em que passaram para atos preparatórios, a partir do momento em que saíram daquilo que é quase uma apologia ao terrorismo para atos preparatórios, foi feita prontamente a ação do governo federal, realizando, em 10 estados, 10 prisões desses supostos terroristas que se comunicavam via internet, via grupos de Whatsapp e Telegram, observou o ministro.

"Várias mensagens mostram a degradação dessas pessoas, comemorando o atentado em Orlando e em Nice, comentando o atentado anterior que ocorreu na França, postando e circulando entre eles as execuções que foram relizadas pelo Estado Islâmico", complementou o ministro.

WhatsApp
Moraes foi questionado na entrevista sobre como foi possível monitorar as conversas do grupo por meio do WhatsApp, na medida em que o aplicativo usa criptografia para inviabilizar o acesso às mensagens dos usuários .Nesta semana, a Justiça Federal do Rio de Janeiro mandou bloquear o WhatsApp sob a alegação de que a empresa proprietária do aplicativo, o Facebook, se recusava a cumprir uma decisão judicial de fornecer informações para uma investigação policial.

"Qualquer mecanismo de investigação não deve ser falado numa entrevista coletiva para avisar um suposto terrorista sobre como se investiga. Esta pergunta [sobre como foi possível monitorar o WhatsApp] atrapalha não só está como outras investigações. [...] Há a necessidade de uma regulamentação geral para que a Justiça consiga informações online, interceptações e dados do WhatsApp, porque isso facilitaria. Só que as investigações têm outros meios também", respondeu o ministro.

Juramento ao EI

Alexandre de Moraes informou na coletiva que alguns dos suspeitos presos nesta quinta chegaram a prestar um juramento, via internet, ao Estado Islâmico. Essa espécie de "batismo", de acordo com o ministro, foi feito sem que eles tivessem sequer conversado pessoalmente com integrantes do grupo terrorista.
"Aparece uma gravação e a pessoa repete [o juramento]. Não existe uma interação", enfatizou. "A pessoa que faz esse juramento passa a achar que faz parte do Estado Islâmico", acrescentou Moraes.

O ministro observou ainda que nenhum dos detidos viajou para fora do país para encontrar com representantes do grupo terrorista. "Até o momento, tudo que foi investigado foi o único contato que alguns deles tiveram, o batismo [...] Eles não saíram do país para nenhum contato pessoal."
'Célula amadora". 
Segundo Alexandre de Moraes, é possível concluir, com base nas informações dos serviços de inteligência brasileiros, que o suposto grupo terrorista era uma "célula absolutamente amadora" do Estado Islâmico, porque não tinha "nenhum preparo".
O ministro citou como exemplo mensagens do suposto chefe do grupo de que era necessário aprender artes marciais e atirar com armas. "E mais, qualquer célula organizada não iria procurar comprar armas pela internet", ironizou o ministro.
Conforme o titular da Justiça, o grupo não tinha contato pessoal, e só se falava pelos aplicativos WhatsApp e Telegram. Além disso, quando o líder dava as ordens, "cada um tinha que cuidar de si".

"Aparentemente, era uma célula absolutamente amadora e sem nenhum preparo, porque as mensagens eram 'vamos treinar artes marciais', 'vamos começar a aprender a atirar'", comentou Moraes. Ele destacou ainda que, por se tratar uma de "célula desorganizada", a questão da segurança pública "é muito mais importante e gera mais preocupação do que o terrorismo".

Nenhum comentário:

Postar um comentário